OTSS
Fiocruz OTSS
Fórum de Comumidades Tradicionais

OTSS Bocaina © 2018

55 24 998772176 - Rua Araponga - nº 502, (antigo: Rua Colibri - nº 16), Gleba 01, Lt 16-A, Caborê - Paraty - Rj - Brasil - Cep: 23970-000

  • Comunicação OTSS

Fórum de Comunidades Tradicionais participa do Seminário Internacional de Saúde na ENSP

Foi realizado na Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp/Fiocruz), no Rio de Janeiro, no dia 9 de setembro, terça-feira, o  Seminário Internacional Saúde e Sustentabilidade. O evento faz parte das ações da Rede Ibero-Americana de Territórios Sustentáveis, Desenvolvimento e Saúde (RIA TSDS) e contou com a presença da vice-reitora da Universidade de Coimbra, Portugal, a pesquisadora Helena Freitas, também coordenadora do Centro de Ecologia Funcional. A Universidade de Coimbra tem ações de promoção da saúde comunitária em países da África e tem interesse em conhecer os modelos brasileiros.  Representantes do Fórum de Comunidades Tradicionais de Angra dos Reis, Paraty e Ubatuba (FCT) participaram do encontro que aconteceu no Salão Internacional da Ensp/Fiocruz, onde foi exibido o vídeo da campanha “Preservar é Resistir”.


No painel  "Ciência, Ecologia de Saberes e Cooperação em Redes para o Desenvolvimento Sustentável e Saudável",  o coordenador do Fórum de Comunidades Tradicionais de Angra dos Reis, Paraty e Ubatuba, Vaguinho do Campinho, pediu mais respeito e sensibilidade dos órgãos públicos. “As comunidades tradicionais tem dentro da sua cultura a manutenção da saúde de seus territórios. Estamos sendo ameaçados no nosso modo de vida e precisamos ser ouvidos pelos governantes e pela sociedade!”, avaliou Vaguinho. Participaram também o pesquisador Edmundo Gallo, da Ensp, que coordena o Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis, parceira do FCT na região, o vice-presidente de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fiocruz, Valcler Rangel, e o representando da vice-presidência de Ensino, Informação e Comunicação, o professor Milton Moraes. Todos ressaltaram  a importância de novos canais de diálogos com as comunidades e os movimentos sociais como possibilidades reais de ação. “A Ciência não pode mais se comportar como uma ferramenta de dominação. Temos que criar novas tecnologias sociais emancipatórias, que vinculem a Ciência à saúde, à educação e à vida!”, explicou Gallo. Ao final do debate foi assinado o convênio entre a Fiocruz e a Universidade de Coimbra.

Após o encontro no Rio de Janeiro, a equipe de pesquisadores da Fiocruz e a  vice-reitora da Universidade de Coimbra, partiram para uma visita às comunidades tradicionais de Paraty. No dia 11 de setembro, quinta-feira, conheceram a aldeia indígena de Tekon Tatim em Paraty Mirim, onde assistiram a uma aula falada em guarani na escola local, e logo após descobriram a culinária e a música do Quilombo do Campinho, onde participaram de uma roda de conversa com os integrantes do FCT.


Temas como a diversidade étnica na formação do Brasil e a necessidade de intercâmbio para averiguar os documentos históricos e assim entender a verdadeira história dos quilombolas, caiçaras e indígenas brasileiros, foram abordados nessa conversa. Para a vice-reitora o respeito a diversidade é o grande objetivo para gerar relações mais saudáveis entre os povos. “A Europa será cada vez mais Europa quando aceitar a diversidade de seus povos.”, explicou Helena Freitas.  A visita terminou no dia 12 de setembro, sexta-feira, com uma palestra na sede da Associação dos Moradores da Praia do Sono sobre o Saneamento Ecológico que está sendo implementado em parceria com o FCT, Fiocruz e Funasa,  na comunidade caiçara. 

28 visualizações