top of page

Rede de Formação Socioambiental do Projeto Redes anuncia oito cursos para comunidades tradicionais impactadas pelo Pré-sal na Bacia de Santos

Atualizado: 4 de abr.

Promovidos no contexto do licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama, cursos serão oferecidos a comunidades tradicionais e pesqueiras localizadas no litoral sul do Rio de Janeiro e no litoral norte de São Paulo.



Em meio aos impactos gerados pela exploração de petróleo e gás natural na Bacia de Santos, a Rede de Formação Socioambiental do Projeto Redes anuncia, para 2024, a realização de mais oito cursos para fortalecer a participação das comunidades tradicionais na gestão ambiental e na defesa de seus territórios. A iniciativa abrange comunidades tradicionais e pesqueiras de Mangaratiba, Angra dos Reis e Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro, e Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela, no litoral norte de São Paulo.


Gratuitos, os cursos serão realizados entre maio e dezembro deste ano abrangendo os seguintes temas: Educação Diferenciada; Defensores e Defensoras dos Territórios Tradicionais; Turismo de Base Comunitária; Pesca Artesanal e Gestão Costeira e Marinha; Comunicação Popular; Saúde e Cultura Tradicional; Gestão de Risco e Saneamento Ecológico. Os primeiros cursos serão Educação Diferenciada e Defensores e Defensoras dos Territórios Tradicionais, com abertura de inscrições a partir de abril pelo site www.otss.org.br. Para mais informações, procure também as educadoras e educadores do Redes que atuam na sua comunidade.


Condicionante exigida à Petrobras pelo licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama, o Projeto Redes é uma política pública conquistada por comunidades tradicionais e pesqueiras impactadas por empreendimentos de petróleo e gás natural no litoral sul do Rio de Janeiro e litoral norte de São Paulo. A execução da Fase 2 do projeto é fruto de uma parceria com a Fiotec/Fiocruz por meio do Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina (OTSS), do Fórum de Comunidades Tradicionais (FCT), da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

 

Momento de formatura do Curso Maré de Saberes, que abriu a Rede de Formação Socioambiental do Projeto Redes. Mais oito cursos vêm aí

 

Integração


Com o objetivo de criar um fio condutor que une teoria e prática, o Licenciamento Ambiental será o eixo central de todos os cursos. Esta abordagem busca integrar a formação teórica, técnica, política e prática com os conflitos socioambientais vivenciados no dia a dia pelas comunidades, levando os participantes a refletir sobre condicionantes para mitigar os impactos sofridos.


Já a metodologia adotada pela Rede Formação é a Pedagogia da Alternância, que divide o programa educativo em Tempos Escola e Tempos Comunidade. Nos Tempos Escola, os participantes são introduzidos aos conceitos teóricos através de módulos que abordam tanto o Licenciamento Ambiental quanto os temas específicos de cada curso. Já nos Tempos Comunidade, o foco se volta para a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos, promovendo a integração das lições aprendidas com a realidade vivida pelas comunidades.


“São os sujeitos das comunidades tradicionais, as vozes dos territórios, como cursistas deste processo, apontando a partir de cada Curso Temático estratégias para defesa do território e enfrentamento aos impactos dos grandes empreendimentos e da exploração do petróleo e gás na Bacia de Santos”, explica Aline Tavares, atual coordenadora da segunda fase do Projeto Redes .



Para o processo de seleção, será dada prioridade a líderes em formação, promovendo a equidade de gênero e buscando alcançar todas as comunidades beneficiadas pelo Projeto Redes. Será permitida a inscrição em três opções dos oito Cursos, sendo a primeira opção de interesse prioritário, e as opções seguintes conforme vaga disponível.


Os cursos são gratuitos e podem ter 60 horas ou 100 horas de duração. Para cada um, serão 25 vagas para comunitárias e comunitários e seis vagas para Educadores mobilizadores, além da participação da coordenação Pedagógica, Educadores Apoiadores e convidados, totalizando 45 pessoas por Curso.


"Esses cursos, no olhar do Fórum de Comunidades Tradicionais, são importantíssimos para criar um pensamento crítico sobre a pauta da justiça socioambiental e para garantir a defesa dos territórios das comunidades tradicionais a partir do protagonismo das nossas juventudes", reforça Vagner do Nascimento, integrante da coordenação do FCT.


Para saber mais sobre o Projeto Redes, clique aqui.

 

***

376 visualizações3 comentários

3 commenti


silvanadepaiva123
03 apr

Moro num bairro que precisa ser mais valorizado aqui existe muito caiçara que precisa dar valor em sua tradição

Mi piace

silvanadepaiva123
03 apr

Espero ser bem recebida neste curso

Mi piace

silvanadepaiva123
03 apr

Gostaria de fazer este curso para que eu vai ser bem produtivo para meu bairro

Mi piace
bottom of page