OTSS
Fiocruz OTSS
Fórum de Comumidades Tradicionais

OTSS Bocaina © 2018

55 24 998772176 - Rua Araponga - nº 502, (antigo: Rua Colibri - nº 16), Gleba 01, Lt 16-A, Caborê - Paraty - Rj - Brasil - Cep: 23970-000

  • Comunicação OTSS

Entrevista: Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas


Foto de Varderlei Leite, da página de comunicação popular @defensoresbiomacaatinga

Fernando Carneiro, pesquisador da Fiocruz Ceará, fala sobre o trabalho do Observatório da Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas – Teia de Saberes e Práticas (OBTEIA) para a promoção de territórios sustentáveis e saudáveis no Brasil.

O atual contexto socioambiental preocupa ambientalistas, pesquisadores e, mais ainda, os povos e comunidades tradicionais que guardam a sociobiodiversidade dos biomas brasileiros. Em entrevista ao OTSS, Fernando Carneiro, pesquisador da Fiocruz Ceará, fala sobre a importância de se demonstrar cada vez mais, por meio de estudos científicos, a importância da proteção naturalmente exercida pelos chamados povos dos campo, das florestas e das águas na salvaguarda da sociobiodiversidade brasileira. Ele tem sua trajetória profissional ligada à promoção da saúde no campo e integra "GT Saúde e Ambiente da Abrasco" e o Observatório da Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, Floresta e das Águas – Teia de Saberes e Práticas (OBTEIA).

Como a Fiocruz atua na promoção da saúde para as populações do campo e seus ambientes?
Quando a Fiocruz lança o Programa Institucional de Territórios Sustentáveis e Saudáveis, o PITSS, percebemos que se trata de um tema importante, e que bom que está sendo institucionalizado. Sabemos que, a cada momento, esses territórios estão sendo mais ameaçados frente à nova conjuntura política econômica, e social, pois estamos vivendo profundas ameaças à democracia e aos direitos humanos.
De que forma o trabalho do OBTEIA e do OTSS dialogam?
O OTSS tem algumas convergências com o OBTEIA como, por exemplo, essa forma de gestão que envolve movimentos sociais e a academia, criando os diálogos de saberes e as parcerias com os povos tradicionais. Acredito que esse seja o maior ponto de convergência entre os nossos trabalhos. Na medida em que assumimos esse apoio com pesquisas, cooperação e construção coletiva, convergimos, cada qual em seus territórios de atuação.
"Cuidar dessas populações do campo, da floresta e das águas é cuidar de quem hoje são os guardiões da nossa biodiversidade", pontua Fernando Carneiro / Foto: Acervo Pessoal
Quais as áreas de atuação da Fiocruz Ceará para os povos do campo, das florestas e das águas?
Aqui na Fiocruz Ceará, nossa área de saúde e ambiente se desdobra em quatro grandes eixos de atuação: água e saneamento; direitos humanos para o semiárido; impactos de grandes empreendimentos e agroecologia. Tudo isso fazendo junto a integração dos assuntos de saúde da família, atenção básica e ambiente de trabalho. Nosso trabalho é realizado por meio de metodologias críticas e participativas como a ecologia de saberes. Nós também temos feito pelo Brasil pesquisas de formação e cooperação em territórios sertanejos e pesqueiros.
Agroecologia é sinônimo de saúde. Como você vê essa relação?
Nós entendemos que promover a agroecologia também é uma forma de promover a saúde. Por isso, cuidar dessas populações do campo, da floresta e das águas é cuidar de quem hoje são os guardiões da nossa biodiversidade. As pescadoras que estão preservando o mangue, os indígenas e seringueiros que estão preservando as florestas, os ribeirinhos que estão preservando os rios, os sem terra que querem produzir sem veneno. Essas populações hoje são invisibilizadas tanto pelos dados oficiais quanto pelas políticas públicas, e o capital as enxerga como empecilho ao desenvolvimento porque elas "atrapalham" a usurpação dos recursos naturais. Esses povos estão há muitas gerações cuidando e sendo cuidados pela natureza.
A riqueza da biodiversidade do semi-árido se apresenta em cada local

Quais os principais impactos para as populações tradicionais do Ceará?
O Ceará não tem tantas florestas como a região da Bocaina, lá estão concentradas as populações sertaneja e litorânea. No caso dos povos do mar, eles têm recebido muito impacto do polo portuário, a poluição atmosférica, desterritorialização das populações pesqueiras para construção dos grandes parques de usinas eólicas. Esses são apenas alguns exemplos das atividades altamente impactantes para essas populações. Sem contar a contaminação por agrotóxico, a mineração de ferro e toda a questão da falta de políticas públicas adequadas que gera enorme desequilíbrio e desigualdade social. Hoje o Ceará vive o medo do retorno da fome em regiões em que ela já tinha sido banida.