• Comunicação OTSS

Diversidade de saneamento para os povos do campo no Brasil foi destaque do Seminário

Aconteceu em Paraty no dia 30 de julho o Seminário "Alternativas para para o Saneamento Rural".

Realizado no dia 30 de julho na Casa da Cultura em Paraty o Seminário "Alternativas para o Saneamento Rural" com o objetivo de ampliar o diálogo sobre as possibilidades sustentáveis de saneamento nos territórios da região da Bocaina. O evento foi promovido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Fundação Nacional de Saúde (Funasa) junto ao Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina (OTSS), Fórum de Comunidades Tradicionais (FCT), Comitê de Bacias Hidrográficas da Baía da Ilha Grande (CBH-BIG) e Prefeitura Municipal de Paraty (PMP).


“O seminário tem uma importância muito grande porque falar de saneamento básico no Brasil é falar de um contexto em que metade da população não tem acesso a isso”, destaca Vagner do Nascimento, do Fórum de Comunidades Tradicionais e coordenador do OTTS. Segundo ele, a região em que se encontram as comunidades tradicionais de Ubatuba, Angra dos Reis e Paraty possui pouco acesso a isso, ainda que sejam locais famosos pelos “atrativos turísticos” de ampla visitação.


Diversas experiências de projetos de saneamento foram apresentadas nas mesas do evento. Além disso, o projeto de saneamento ecológico construído com parceria Fiocruz, Funasa, FCT, OTSS, Associação de Moradores da Praia do Sono, Prefeitura Municipal de Paraty, que está sendo concluído. A abertura do Seminário contou com a participação do Jongo do Quilombo do Campinho.


Projetos territorializados de saneamento

“Meu sonho é voltar a beber a água no encontro do rio com o mar no Pouso da Cajaíba, ver o rio despoluído”, diz Franciso Xavier, conhecido como Ticote. Caiçara criador do Instituto de Permacultura Caiçara (Ipeca), ele acompanhou a implementação de todos os módulos do saneamento ecológico na praia do Sono.


“Hoje o nosso saneamento faz parte do nosso roteiro de turismo de base comunitária (TBC). Recebemos grupos de escolas, universidades e todos aqueles que quiserem conhecer debater. Agora temos que caminhar outro degrau que é enfrentar a cura da doença com o saneamento”, salienta Jadson dos Santos, liderança da praia do Sono que também integrou a equipe do Saneamento Ecológico e atua com TBC na comunidade.


O pesquisador Tatsuo Shubo, da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) pontuou sobre o nexo da água e as ações relacionadas a alimento, energia e água devem ser olhadas a partir de uma integração maior, a partir de como cada território ocupa seu solo. “É fundamental que as comunidades tradicionais ocupam seus territórios e assim garantirem a preservação. Também precisamos buscar a mudança da cultura hídrica de abundância, para que as pessoas possam enxergar a água como um direito humano e também como um bem comum”, salienta.


Como construir um saneamento que contemple a diversidade de povos que há no Brasil?

A resposta a essa pergunta faz parte de um longo processo que está sendo elaborado chamado de Programa Nacional de Saneamento Rural (PNSR). “A grande diversidade das áreas rurais do brasil, junto a enorme quantidade de povos, culturas e tradições diferentes evidencia a necessidade de um programa que atenda a essa diversidade”, pontua Bárbara Silva, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ela faz parte de um grupo que une pesquisadores, poder público, instituições parceiras e os povos do campo que está de maneira participativa trabalhando na construção desse plano. “Há um déficit para as áreas rurais em contraponto com as cidades e os recursos não são bem direcionados, por isso, é urgente a necessidade de um programa específico”, completa.


“O seminário trouxe a importância da atuação intersetorial para fomentar políticas públicas nos territórios e houve a participação desses diversos atores, como a prefeitura, sociedade civil, comunidades tradicionais. Pra isso tem que envolver a saúde, a educação, a engenharia e a participação da sociedade civil”, pontua Gustavo Machado, coordenador do projeto de Saneamento Ecológico que trabalhou na produção executiva do seminário junto aos órgãos parceiros.

OTSS
Fiocruz OTSS
Fórum de Comumidades Tradicionais

OTSS Bocaina © 2018

55 24 998772176 - Rua Araponga - nº 502, (antigo: Rua Colibri - nº 16), Gleba 01, Lt 16-A, Caborê - Paraty - Rj - Brasil - Cep: 23970-000